segunda-feira, 30 de julho de 2012

A glória de um herói.

 Em 1989 a empresa de cinema resolve trazer para seu público um herói muito aclamado pelo público. O Homem-Morcego sai do universo dos quadrinhos para enquadrar, também, a sétima arte a partir desse ano. Tudo ia decorrendo muito bem, com atuações memoráveis de Val Kilmer, Jim Carrey e Tommy Lee Jones em "Batman Forever" (um dos poucos filmes de super-herói a ganhar um Oscar), até o fatídico "Batman & Robin" (eleito o pior filme do último século) de 1997 estrelado por George Clooney. Depois desse desastre, o Guardião de Gotham nunca mais foi o mesmo dentro do cinema. Teve a sua imagem denegrida e ficou fora das telonas por um bom tempo.


 Até que em 2005, o diretor Christopher Nolan resolve arriscar e criar uma nova trilogia para o Homem-Morcego, focando um pouco mais em aspectos realistas de Gotham e do universo dos super-heróis. "Batman Begins", estrelado por Christian Bale, foi um sucesso e marcou o início de uma grande reviravolta na imagem desse grande herói.


 Em 2008 o segundo capítulo da trilogia é lançado. "O Cavaleiro das Trevas" consegue superar o primeiro filme com atuações incríveis de Bale no papel de Bruce Wayne/Batman, Aaron Eckhart no papel de Harvey Dent/Duas Caras e Heath Ledger no papel do Coringa (atuação que rendeu ao ator um Oscar póstumo). O filme marcou essa geração e consagrou o diretor Christopher Nolan, mostrando que um filme de um super-herói não precisa manter a linha dos quadrinhos. Ele pode muito bem ser humanizado e conseguir agradar a um público muito maior.


 Quando a fase é boa, o correto é arriscar tudo. E as pessoas levaram isso bem a sério com o Batman. Os super-heróis nunca possuíram uma boa fama dentro dos videogames (achou que eu ia esquecer os jogos nessa postagem?), com jogos que apenas agradavam um pouco os fãs. Nada de mais. Posso dizer, que antes de "Batman: Arkham Asylum", meus jogos de super-heróis prediletos eram "Ultimate Spider-Man" e "Marvel Ultimate Alliance", ambos para o PlayStation 2 e Xbox. Porém, pegando a linha com o que Nolan fez com o Homem-Morcego no cinema, a Rocksteady (empresa que ficou responsável de criar o jogo) criou uma espécie de continuação para o último filme, pois esse jogo começa com Batman escoltando o Coringa até o Asilo Arkham para ser preso. Logo depois o Coringa revela um plano para fugir e dominar Arkham e, claro, derrotar o Batman. E o jogo consegue seguir uma trama excelente e sendo considerado por muitos (até 2011) o melhor jogo de super-herói já lançado.


 Porém nem tudo são flores na vida de Bruce Wayne. Em 2009 foi lançada a série de quadrinhos "Batman: Descanse em paz" onde (SPOILER ALERT) Bruce Wayne morre depois de uma armadilha mortal tramada pelo Coringa. Com isso Gotham vira o verdadeiro caos e Tim Drake, o atual Robin. recorre a ajuda de Dick Grayson, o Asa Noturna (e também o primeiro Robin), para conseguir controlar o caos dentro da cidade. Ao mesmo tempo, Drake tenta convencer a Dick para se tornar o novo Batman, pois com a morte de Bruce, alguém precisava ocupar o lugar do Cavaleiro das Trevas para não deixar Gotham cair no caos completo. Depois de muito tentar, Dick finalmente aceita se tornar o novo Batman.

 Enquanto isso, nos jogos, Bruce Wayne continua bem vivo, obrigado. O sucesso de Arkham Asylum foi tanto que, a pedido de vários fãs, foi feita a continuação: "Batman: Arkham City". A Rocksteady conseguiu fazer o que muitas pessoas duvidavam: melhorar um jogo perfeito. O jogo teve a participação de vários vilões da história do herói com uma evolução mais do que incrível em comparação ao primeiro jogo. O jogo recebeu várias indicações no Video Game Awards 2011, incluindo a de melhor jogo do ano e também dominando a categoria de melhor personagem e ganhou na categoria de melhor jogo do Xbox 360. Por causa do final do jogo, muitas pessoas acreditam que não haverá uma continuação. Porém esse vídeo, exibido na Video Game Awards 2011 mostra um pouco do contrário.


 E depois de tudo isso, a trilogia do Batman, dirigida por Christopher Nolan, chega ao fim.


 O Cavaleiro das Trevas ressurge no último filme da trilogia realizando uma conclusão épica para essa grande trilogia que, com certeza, não marcará apenas o universo do Batman e também não apenas o universo da DC Comics, mas marcará o universo de todos os super heróis que existem no mundo. Eu fui assistir o filme na estreia (dia 27/07) e posso dizer que saí muito bem satisfeito do cinema. Principalmente com a atuação maravilhosa de Michael Caine como Alfred (participando de um monólogo em uma cena que quase arrancou lágrimas desse que vos escreve. Só não chorei porque a namorada tava do lado. Sabe como é que é). Não vou dar nenhum spoiler, mas como disse o crítico de cinema Pablo Villaça em sua crítica sobre "O Cavaleiro das Trevas Ressurge", o filme consegue dar um final satisfatório para a trilogia e consegue também deixar uma abertura para uma possível continuação da série do Cavaleiro das Trevas sem forçar muito a barra. Com certeza a Warner vai dar mais do que sinal verde para essa nova continuação, mas por enquanto o foco em um filme da Liga da Justiça, que está programado para ser lançado no fim de 2013.

 Eu sei que a postagem de hoje fugiu um pouco do que eu costumo falar aqui no blog, porém como um bom fã de super-heróis que sou eu me senti mais do que na obrigação de falar sobre esse ascensão de um super-herói que estava quase que descartado de qualquer outra coisa depois do filme de 1997. Que ele sirva de exemplo para outros filmes de heróis hoje e sempre. Não precisa forçar nos efeitos especiais ou copiar a história igual a dos quadrinhos. Apenas com respeito, força de vontade e dedicação se pode ressuscitar um grande herói na mídia.

 Por hoje é só pessoal. Se cuidem, bons jogos e bons filmes também!

@Kirilko



Um comentário:

Bruna ^^ disse...

O Batman é um super heroi muito megusta...os dois primeiros filmes ficaram excelentes e esse ultimo creio eu tbm deve ser o maximo..pretendo ver no cinema de ser \o Otimo post Kirilko =)