domingo, 17 de abril de 2011

"Nova geração de psicopatas"?

Você provavelmente ficou passando do massacre das crianças no Rio de Janeiro. Caso não saiba o que houve, um rapaz de 23 anos (se não me engano) entrou em uma escola com duas pistolas e descarregou em salas de aulas cheias de alunos. Ao total, 12 crianças inocentes morreram e mais outras ficaram feridas. Isso chocou o país inteiro e eu acompanhei o caso de perto nos jornais (escritos, televisivos e da internet) e também não consegui acreditar como um rapaz pode fazer isso.

Ninguém sabe.

Como assim entrar em uma escola e atirar em crianças que não tem NENHUMA maneira de se defenderem?

Todos se perguntam isso.

Sabe o que isso tem a ver com o que eu falo aqui aos domingos? Você vai ver agora.

Ao decorrer da história, vários massacres desse mesmo estilo ocorreram ao redor do mundo. Pessoas que fazem coisas sem pensar. Sabe o que acontece depois? Acham um culpado:

O VIDEO GAME.

Sim.

OBS: Pra você ter ideia eu estou aqui escrevendo isso na segunda feira e em primeiro lugar nos TTBr está a hashtag "#videogamemata".

Hoje eu li uma matéria publicada no jornal "O Globo" (jornal de grande expressão, diga-se de passagem) e dois jornalistas, os excelentíssimos senhores Antônio Werneck e Sérgio Ramalho, fizeram uma matéria ligando o assassino das crianças a video games e, claro, colocando a sociedade contra os jogos eletrônicos. Não é a primeira vez que vejo esse tipo de matéria, onde pessoas culpam os jogos de video game por coisas nada a ver. O.k. Quero ir na prisão, perguntar os jogos que o casal Nardoni jogava. Quero voltar no tempo e perguntar o jogo que Jack, o Estripador jogava. Quero encontrar Osama Bin Laden e perguntar ao maior terrorista da atualidade QUAL A PORRA DO JOGO QUE ELE JOGAVA.

Simplesmente NÃO TEM CABIMENTO ligar video games a assassinatos, massacres, atos de terrorismo e outras coisas do gênero.
Isso vai do psicológico da pessoa.
Lembro-me agora de um programa que passava na Rede Bandeirantes pela manhã e que levaram um psicólogo para explicar essa relação de jogo e pessoa e ele falava que não tem uma relação violenta direta com todas essas pessoas, mesmo com as apresentadoras do programa tentando fazer perguntas para que ele mudasse o que ele disse.

Eu não entendo.

Chamar os "gamers" de "uma nova geração de psicopatas" não resolve muito os problemas do mundo, né?

Vamos dar um passei pro Bangu I. Vou perguntar quais os jogos que aqueles caras jogavam.

Ah... Uma outra coisa que lembrei agora. Na reportagem eles falaram que os jogos eletrônicos (dando exemplos de "Grand Theft Auto" [GTA] e "Counter-Strike") se resumem a que o jogador ganha pontos por matar crianças, mulheres e idosos. O.k. Agora aqui então farei uma lista das pessoas/coisas/monstros que já matei jogando video game:

- Demônios
- Alienígenas
- Zumbis
- Elfos
- Insetos gigantes
- Tartarugas (cascos vermelhos e verdes)
- Soldados americanos, nazistas, russos, chineses, coreanos, japoneses e dentre outras nacionalidades
- Traficantes do Rio de Janeiro
- Pessoas armadas que queriam me matar
- Dei alguns fatalytis na maioria dos personagens de "Mortal Kombat"
- Mafiosos
- Inimigos dos super heróis dos quadrinhos
- Mercenários
- Templários
- Terroristas
- Ganados
- Pessoas loucas portando uma serra elétrica
- Pessoas que possuiam algum tipo de ligação com corrupção ou algo que possa prejudicar o herói/protagonista do jogo
- Fantasmas (na verdade nesse eu tenho dúvida. É possível matar fantasmas?)
- Robôs do mal
- Inimigos no velho oeste
- Dragões
- Animais gigantes
- Alguns deuses
- Criaturas mitológicas
- Colossus
- Pessoas com algum tipo de infecção estranha que podem virar zumbis em potencial (Claro, quando não existe uma cura)
- Vampiros
- Bruxas
- Caveiras
- Múmias
- Pessoas que mataram crianças, mulheres e idosos

A lista é grande e tem mais. Não vou lembrar de mais de uma década de video games. Mas o caso é que eu já matei tanta gente, mas tanta gente feita de pixels e nem por isso eu saí por aí com alguma arma (de fogo ou branca) querendo matar pessoas sem nenhum motivo aparente. Isso é sem noção! E acesse fóruns de sites de gamers, como Game Vicio, você verá que 98% dos gamers vão falar a mesma coisa que eu e é verdade, cara! É verdade. Não tem motivo para ligarem os video games a esse tipo de coisa. Eu fico profundamente magoado. Sério. Eu queria trazer uma coisa legal aqui pra vocês. Um post sobre literatura e games, mas vai ficar para a próxima semana. Olha o que esses caras me obrigam a fazer. E eu choro pela morte das crianças na escola do Realengo e deixo aqui uma lágrima, uma oração e um silêncio as crianças:

1- Karine Chagas de Oliveira
2- Rafael Pereira da Silva
3- Milena dos Santos Nascimento
4- Mariana Rocha de Souza
5- Larissa dos Santos Atanázio
6- Bianca Rocha Tavares
7- Luiza Paula da Silveira
8- Laryssa Silva Martins
9- Géssica Guedes Pereira
10- Samira Pires Ribeiro
11- Ana Carolina Pacheco da Silva

O que não pode é o pessoal querer liga a paçoca a Coca Cola, a violência aos video games, o psicopata a pessoas que querem se divertir.

Me desculpem, mas os jornalistas que ainda batem na tecla de ligarem video games a situações violentas como essa são os piores jornalistas que se pode ter.

Estão brincando com coisa séria.

Estão achando que video game é brincadeirinha.

Video game é coisa séria, amigo. Para mim e para várias outras pessoas.

O buraco é mais embaixo, amigão.

E espero nunca mais ter de falar sobre isso novamente no blog.

Abraços, se cuidem e bons jogos!

@Kirilko

Um comentário:

Otávio Coati disse...

O Post ficou mto phoda, Kirilko.
Quando a noticia saiu eu tinha certeza q achariam um jeito de "colocar a culpa" (nao era esse o termo q queria usar, mas nao consegui pensar em outro) nos video games. Sempre fazem isso quando ocorre algo mto violento.
Gostei mto do seu ponto de vista, foi absurdamente bem defendido \o