terça-feira, 5 de outubro de 2010

Pegando atalhos com a seleção de vôlei

Olá pessoas! Como vão?

Cara, eu sempre tenho vários assuntos pra poder abordar aqui no blog, mas geralmente tenho pouco tempo saco então decido falar de um só... pra você ter noção, estava atarefada fazendo um trabalho maldito sobre artesanato quando, do nada, me dei conta que hoje era dia de enviar o post pro blog. Que redatora dedicada você arranjou, hein, Sr dono do blog? Não me admiro se o Otávio postar isso só na quarta, afinal, ele é um rapaz mais atarefado que eu, e por isso, tem de dormir cedo. Já eu...

Dessa vez o tema escolhido é vôlei, mais especificamente o Mundial Masculino. Mas antes, devo relatá-los a minha experiência vendo pela primeira vez ao vivo e a cores um jogo de vôlei da seleção brasileira. SIM! Eu fui ao amistoso da seleção feminina contra os EUA. A vitória foi a mais fácil dos 4 jogos, com um placar de 3 a 0 sobre as americanas sem sal nem açúcar. O jogo foi legal, o ginásio estava lotado, pena que eu não cheguei cedo e não ganhei um jacaré de pelúcia fiquei do lado mais animado da torcida. Pra completar, sentei do lado de dois caras que pareciam meio tarados e ainda por cima não chegavam nem ao dedo mindinho do meu patriotismo. Mas tudo bem, foi engraçado mesmo assim... Odiei por não ter levado uma porra de papel e caneta pra pegar no mínimo um autógrafo delas. O meu único contato foi com a jogadora Dani Lins; na verdade, não foi exatamente um contato, porque ela foi meio arrogante ou tava surda mesmo. Enquanto ela estava perto assinando umas camisetas, eu disse: “Parabéns Dani Lins, você joga muito!”. Ela nem olhou pra minha cara (puxação de saco FAIL)! Mas foda-se, não gosto dela mesmo não tem problema, ela nem é minha jogadora favorita...

Agora falando do que interessa, os homens o Mundial, a nossa seleção tem pela frente um jogo decisivo: precisa da vitória para se classificar para a próxima fase da competição. A equipe acumulou duas derrotas, uma contra Cuba e outra com outro time que eu não lembro, mas essa última derrota foi claramente proposital: faz parte da estratégia do time para cair num grupo mais fácil e assim ter mais chances de chegar à final. Eu particularmente não aprovo esse tipo de atitude... por mais que o título seja mais importante que qualquer vitória ou derrota, acredito que a seleção tem potencial pra detonar qualquer outra equipe, e não precisa se utilizar dessas artimanhas baixas pra chegar mais perto do pódio.

E não fui só eu que não gostei dessa atitude dos atletas. Os italianos, expectadores da partida, ficaram furiosos, vaiando o tempo todo, inclusive no início do jogo que o time disputou em seguida, esse com resultado positivo para os brasileiros, 3 sets a 2 contra a República Tcheca.
Chamaram a atitude de vergonhosa pra cima. Mas caaalma, fratellada! Isso é tudo medo da seleção de vocês perder pra uma das outras fortes concorrentes do grupo, é? Relaxa, eu espero que a Itália passe mesmo, torço e acredito nisso. Além de terem grandes conquistas no vôlei, parecem ter um time bom. E é claro, os atletas brasileiros manifestam constantemente a vontade de ganhar o título em cima dos italianos, o que deixaria uma final Brasil e Itália muito mais interessante do que qualquer outra partida.

Comentem, estrupícios. Você, bambino inocente criado a leite com pêra, deveria comentar, cáspita! Não tem opinião própria não? To vendo muita Passione... mentira, influência de casa. AQUI É PALESTRA POHAAA

E viva o Tiririca, pior que tá, não fica.
Beijo!

Um comentário:

Otávio Coati disse...

Haha...q nada, ray-chan.. como vc pode ver, o seu post saiu na terça ;)
#Truques hehe
Enfim... queria tanto poder ter ido ver o jogoo -___- eu adoro volei, principalmente o feminino \o
E ve se para de assistir Passione, meninaaa
LOL sshaushauhsa
BjOO