domingo, 8 de agosto de 2010

As mulheres e os video-games.

E aí galera! Voltando ao domingo com um post que contém uma entrevista e mais 3 análises! Uau! Estou levando essa bagaça a sério!
A questão é bem simples: uma mulher e um video-game combinam? Sim? Não? Talvez? Essa é uma questão que, pode parecer que não, mas mexe muito com o pessoal do mundo dos games. Muitas pessoas gostam que as mulheres joguem video-games, outras pessoas já tem um certo preconceito com meninas que fazem isso. Mas, olhando friamente, as mulheres ainda são amadoras no mundo dos games (sem preconceito, por favor!). Sim, basta olhar quantas mulheres são protagonistas de jogos. Não são muitas. De cabeça aqui e agora posso citar 4: Lara Croft (do jogo "Tomb Raider"), Faith (do jogo "Mirror's Edge"), Rayne (do jogo "BloodRayne") e Jill Valentine (do jogo "Resident Evil"). Sei que estou esquecendo de algumas, mas outras não são protagonistas (como Chun-Li e Cammy da série "Street Fighter"). Mas muitas delas revolucionaram o mundo dos games.



A Chun-li, por exemplo, é uma precursora das mulheres nos video-games. Mesmo que ela não tenha sido a personagem principal nos jogos da série "Street Fighter", ela chamou a atenção de muitos gamers e fez sua fama por ser a única mulher no jogo "Street Fighter II" (o normal, a Cammy só foi aparecer no "Super Street Fighter II"). Ela foi a primeira mulher a fazer uma grande fama dentro do mundo dos video-games, e sua fama sobrevive até hoje junto com a série de enorme sucesso "Street Fighter". Foi ela quem abriu portas para as mulheres nos jogos de luta, como Kitana e Sindel na série "Mortal Kombat" e Mai no jogo "Fatal Fury" e na série "King Of Fighters". Até hoje, recentemente, temos uma mulher brasileira que luta na série "Tekken". É a Christie Monteiro (tudo bem, não tem um nome muito brasileiro, mas ela é brasileira), neta do mestre da capoeira que ensinou Eddy Gordo (outro brasileiro da série "Tekken"). E detalhe: Nenhum dos brasileiros é um monstro verde que dá choque igual o Blanka da série "Street Fighter". Mas voltando ao assunto da Chun-li, ela foi a precurssora das mulheres ainda no Nintendo (não o Super Nintendo, o Nintendo normal, mesmo!). Porém foram passando os consoles e tivemos outras mulheres que entraram em jogos considerados apenas de "heróis".




Na época em que estavam ainda começando com os jogos de terror, o personagem "Duke Nukem" dominava essa escala. Ele era um homem folgado e quase um fora da lei. Os homens adoravam jogar seus jogos para descontrair. Ele sempre destruía zumbis, monstros e outras coisas do gênero com requintes de crueldade e ironia. Porém, com o lançamento do PlayStation, a CAPCOM lançou um jogo chamado "Resident Evil", onde os zumbis eram os monstros da história. Você enfrenta milhares de zumbis, de cachorros zumbis, monstros e muitas outras coisas do gênero. E como personagem principal colocaram Jill Valentine (a mulher da imagem acima). Sim, você podia escolher entre ela e Chris Redfield, mas, por uma razão que não sei explicar, a Jill era a mais escolhida por todos os gamers. E ela foi a precurssora feminina paras as mulheres no gênero dos jogos de terror. Hoje mesmo no sucesso mais recente do gênero, "Left 4 Dead", temos uma mulher tanto no 1 quanto no 2.



Mais recentemente temos o sucesso "Mirror's Edge" que foi lançado para PlayStation 3 e Xbox 360. É um jogo de muita ação onde jogador conta com uma única habilidade de "parkou" vinda da personagem principal do jogo: Faith. Ela é uma das mais novas mulheres nos games que fez sucesso no mundo dos videos-games. É o mais recente sucesso feminino do mundo dos games. E que lance o 2 do jogo dela! Ainda não zerei o primeiro, mas estou gostando muito do jogo. Tem de pensar bastante e ser espero (até "malandro" em certos momentos).



Porém o mais sucesso de todos! A musa de todos os gamers! A mulher que fez o maior sucesso de todos os jogos femininos até hoje! O "Indiana Jones" feminino! Lara Croft, senhoras e senhores. Ela, desde o PlayStation 1, com a série "Tomb Raider" vem fazendo sucesso tremendo no mundo dos games. Ela foi a combinação perfeita, uma grande aposta que deu certo no mundo dos games. Lara Croft é uma combinação de beleza, inteligência, força, agilidade e sexualidade. Todos os seus jogos fizeram um grande sucesso de vendas e de crítica. Toda vez que a EIDOS anuncia que fará um novo jogo da série ele é grande aguardado por todos os que gostam da série e até mesmo inciantes no mundo dos games.

Ok. Acho que um homem já falou demais de mulheres no mundo dos games. Agora, vou colocar aqui uma entrevista que eu fiz com a Ray (que também escreve aqui no blog). Ela é menina e joga video-game, e ninguém melhor que uma menina pra falar de video-games e meninas. Uma combinação que pode parecer estranha, mas não impossível.

ENTREVISTA:

Lucas: Como você foi iniciada ao video-game e há quanto tempo joga?
Rayane: Comecei a jogar por influência de familiares (meu irmão e primo sempre jogaram), e jogo desde os 5 ou 6 anos.
Lucas: Que tipo de jogo mais gosta de jogar?
Rayane: Eu sempre gostei mais dos de corrida, mas desde que conheci Guitar Hero, esse jogo virou meu preferido. Une duas das coisas que eu mais gosto de fazer (ouvir música e jogar), então não tem como eu não adorar, hahaha
Lucas: Sabemos que video-games são considerados brinquedos de meninos. É meio difícil achar alguma menina que jogue. Porquê você acha que isso acontece? Você se sente diferente das outras meninas por jogar video-game?
Rayane: Acho que isso acontece porque desde muito tempo esse tipo de "brinquedo" sempre agradou mais aos meninos, sem contar que são poucas as meninas que se prestariam a jogar um jogo de luta onde sangue fica espirrando pra tudo que é lado, hahaha. Me sinto diferente no sentido de que passei por cima de preconceitos pra fazer algo que gosto. Mas hoje em dia, são muitas as meninas que jogam, e não há mais porque olhar com outros olhos pra uma menina que curte jogar video game.
Lucas: Se formos lembrar agora sem olhar em nenhum lugar de heróis de video-games, lembraremos de mais homens do que mulheres que são protagonistas e heróis de jogos. Você acha que isso pode mudar futuramente? Podemos ter tanto heroínas quanto heróis?
Rayane: Pode ser que isso mude sim, só que ainda acho que vão existir poucas heroínas. Hoje em dia tem um mercado de jogos direcionado somente pra meninas, com jogos menos violentos e mais "cor-de-rosa", e caso começem a fazer jogos de ação voltado pras meninas, é bem provável que a estrela desses jogos será uma heroína. Mas também torço pra que mais heroínas sejam criadas nos jogos de forma geral.
Lucas: Já sofreu algum tipo de preconceito de alguém por ser menina e jogar video-game? O que acha de pessoas que ainda tem esse preconceito?
Rayane: Na verdade nunca me falaram algo que realmente tenha me incomodado... ou pelo menos não lembro. Esse tipo de pessoa, que tem um preconceito tão bobo mesmo com tantos avanços no dia de hoje, é simplesmente digno de pena. É apenas um jogo, não vai provocar mudanças na sexualidade de qualquer pessoa, nem fazer lavagem cerebral... é mais fácil achar programas infantis que façam isso do que jogos.
Lucas: Algum jogo que marcou a infância? E tem algum personagem de video-game que você se identificou?
Rayane: O jogo que marcou minha infância foi Mario Paint, do Super Nintendo. Quando era menorzinha, o jogo que mais me interessava era esse, pq eu achava o máximo ficar fazendo desenhos, pinturas e tudo o mais. Lembro de ficar pedindo pra meu irmão, quando ia alugar fitas, alugar Mário "peinti" também. Velhos tempos! Hahaha. Não lembro de ter me identificado com algum personagem de video game... gostava bastante de alguns, mas nenhum que tenha me chamado a atenção.
Lucas: Alguma recomendação de jogos para as meninas não ficarem só no "Colheita Feliz" do Orkut?
Rayane: Recomendo que conheçam jogos como God of War, Final Fantasy X-2 que apesar de eu não ter jogado ainda, sei q são muito bons... agora, vocês meninas que curtem música, não deixem de jogar Guitar Hero. Além de ser um jogo simples e gostoso de jogar, você vai poder conhecer muitas bandas consagradas do Rock e outras desconhecidas. Mas Colheita Feliz é legalzinho! Hahaha
Lucas: Agora pra fechar, Ray. Se quiser, deixe algum recado ou fale alguma coisa para os homens e mulheres gamers do nosso Brasil.
Rayane: Se você mulher gosta de jogar video game, não se acanhe, entre na brincadeira e conheça mais do maravilhoso mundo dos games. Agora você, homem, deixa sua irmã jogar, caramba! Beijomeliga.
Lucas: Bem... É isso aí, Ray! Muito obrigado pela sua participação na entrevista! Eu gostei e espero que o pessoal também goste! Foi divertido e interessante. Respostas muito inteligentes como sempre!
Rayane: Eu é quem agradeço!

Bem galera, é isso aí! Espero que vocês tenham gostado! As análises vou colocar no fim do post, como sempre. E lembre-se: As mulheres estão começando a gosta de futebol, a gostar de filmes de ação e a gostar de video-games. E nós homens que devemos nos acostumar e aceitar isso! Um efusivo abraço, se cuidem, fiquem com DEUS e bons jogos!

ANÁLISES:



Jogo: Dynasty Warriors 6
Gênero: Luta (estilo "hack 'n slash" - vulgo "1 contra 1000")
Distribuidora: KOEI
Censura: Adolescentes pra mais
Plataformas: PC, PS2, PS3 e Xbox 360
Análise:





Jogo: Resident Evil 5
Gênero: Ação; Terrro; Tiro em 3ª pessoa
Distribuidora: CAPCOM
Censura: Maiores de 18 anos
Plataformas: PC, PS3 e Xbox 360
Análise:





Jogo: Call Of Duty Modern Warfare 2
Gênero: Ação; Tiro em 1ª pessoa
Distribuidora: Activision
Censura: Maiores de 16 anos
Plataformas: PC, PS3 e Xbox 360
Análise:

2 comentários:

Otávio Coati disse...

\o/ Adorei a ideia da entrevista =)
Vc e a Ray Mandaram MUITO \o
As análises ficaram ótimas e aquele jogo de luta deve ser muito legal
Otimo post, Kirilko \o

Rayane Máximo disse...

Oi!!! adorei essa entrevista! eu sou uma garota gamer e tenho orgulho disso ♥ ótimo post viu!!!!!!! bjs ♥